Mineração Bitcoin

O que é mineração?

O Bitcoin funciona de uma forma diferente das moedas de papel, não existe uma casa da moeda ou banco central por trás que imprime bitcoins ou nada parecido. A tecnologia foi criada para ser análoga ao ouro, o ouro digital, logo, assim como o ouro é minerado, existe um esquema de 'mineração' de bitcoins também, onde supercomputadores competem entre si fazendo cálculos super complexos para achar a solução de um problema, quando um desses computadores acha essa solução ele é recompensado com 25 novos bitcoins criados na rede (essa recompensa cai pela metade a cada 4 anos ).

"Por que existe mineração e por que existe recompensa?"

Para que João possa ter 10 BTC em primeiro lugar, ele precisa ter obtido previamente de alguém. O minerador verifica a parte do livro de registros que já foi publicada previamente por outros mineradores e certifica de que a transação está ali, registrada em algum lugar. Isso diz que João tinha 10 BTC em primeiro lugar e então foi autorizado a gastar.

Logo, quando você realiza uma transação os mineradores garantem que essa transação é válida verificando saldos, transações anteriores, fundos, endereço de origem e destino etc, gravam isso em um livro contábil e distribuem por toda a rede.

O processo de mineração é um trabalho e é necessário para manter a segurança da rede.

Outra necessidade é: o bitcoin precisa nascer de algum lugar. O governo imprime dinheiro na casa da moeda, o Bitcoin possui o processo de mineração onde uma quantidade de bitcoins são geradas a cada 10 minutos.

O que é o Blockchain?

Esse termo está bem em pauta atualmente, pois muitos bancos e empresas estão investindo na criação de blockchains como forma de automatizar e validar transações, certificados de propriedade de bens como imóveis e ações, automatização completa de cartórios etc.

"Mas o que é isso?"

Um bloco é um registro de todas as transações recentes que ocorreram na rede bitcoin.

Uma vez que você escreveu uma transação em um bloco, ela nunca mais será apagada e outros blocos virão e farão referência a esse bloco anterior.

Assim como você pode olhar o extrato do banco e ver suas movimentações financeiras do mês passado, você pode olhar para os blocos que foram minerados mês passado e ver quais transações foram feitas naquele momento, inclusive fazer seu 'extrato bancário bitcoin' baseando-se nisso. [confira uma das soluções da Usando Bitcoin - o nosso livro contábil bitcoin]

O famoso blockchain, ou, cadeia de blocos. É chamado assim, pois todos os blocos dependem do anterior formando uma espécie de corrente. Eles são protegidos por uma função criptográfica.

E se alguem decidir alterar maliciosamente um bloco anterior e adicionar ele mesmo dezenas de bitcoins? Felizmente isso é impossível.

Se alguem alterar um único digito, caracter ou bit de uma cadeia de blocos, todos os blocos seguintes serão eliminados e invalidados.

Note também que nem mesmo o minerador pode alterar maliciosamente a transação de João por que a assinatura digital não vai bater se for adulterada.

A abertura, transparência e natureza decentralizada do Bitcoin, juntas com o uso mecanismos de proteção, criam uma sólida, forte e confiável rede que ninguém pode enganar.

Ainda vale a pena minerar bitcoins?

Hoje em dia, seriam necessários milhões de anos para conseguir minerar um bloco com seu computador de mesa. Essa é uma pergunta bem comum para pessoas iniciantes e vou fazer uma explicação histórica bem próxima ao que aconteceu e acontece com a mineração.


Breve história da mineração Bitcoin

Como a mineração Bitcoin é análoga ao ouro, vamos supor que você more ao lado de uma área sem dono de 100 mil metros quadrados, em que você descobre que lá existe ouro. No outro dia você chega de manhã com uma pá e começa a procurar, cavar e peneirar 50g de ouro do chão a cada 10 min.

Primeira geração: Esse é o Bitcoin de janeiro 2009, quando Satoshi Nakamoto, minera seus primeiros bitcoins com um computador de mesa.

Acontece que com o passar do tempo, seu vizinho fica curioso e também percebe que existe ouro naquele terreno e se junta a você no processo de cavar.
Todo o ouro do terreno que for retirado agora é repartido por 2, você e seu vizinho. Você agora demora 20 minutos em média para achar ouro ao invés de 10 minutos, pois algumas vezes seu vizinho acha antes de você e você tem que recomeçar a procura.
A notícia corre e outros vizinhos se juntam para cavar e sua recompensa começa a cair a medida que fica mais difícil e demorado achar ouro.

Você tem uma ideia:

"Vou comprar uma caixa eclusa!"

Após comprar e começar a utilizá-la você conseguiu aumentar sua produtividade, cavando e achando mais ouro e saindo a frente de todo mundo.

Segunda geração: Este é o Bitcoin no fim de 2010 (outubro), quando começam a minerar usando potentes placas de vídeo (GPU com linguagem OpenCL) ao invés de simples computadores. Embora sendo um grande avanço. As placas não eram muito boas em questão de refrigeração quando eram colocadas várias juntas e faziam cálculos que não eram necessários para o processo de mineração bitcoin.

Como seus concorrentes não são cegos, logo eles compram caixas eclusas também e tudo volta a ser como antes...

Mas você não desiste e tem outra ideia:

"Vou chamar irmãos, amigos e primos para ajudar, vamos formar um grupo e dividimos o que acharmos."

A idéia é um sucesso e vocês saem a frente de todos e dominam a mineração das terras.

Esse é o Bitcoin de 2010-2011, quando surgem os primeiros grupos de mineração (em inglês mining pools).

Os outros mineradores são obrigados a mudar de estratégia, logo dezenas de mineradores independentes formam alguns grupos com alta produtividade cada um com seu nome e 'bandeira'. Novamente tudo volta a ser como antes.


Você pensa novamente e tem outra idéia:

"Caixas eclusas são coisas do passado! Vamos comprar um Trommel e nosso grupo de mineração vai se tornar o maior e mais rico!"

Terceira geração: Esse é o Bitcoin de Junho de 2011 quando começam a usar FPGA (field-programmable gate array) para montar hardware de mineração. FPGA eram mais eficientes para a função, mais fácil de refrigerar. Podiam ser colocadas várias no mesmo lugar mas os custos eram muito altos, por isso foi usada por pouco tempo:
Logo em 2012 surgem as primeiras máquinas de mineração dedicadas ao bitcoin (ASICS), muito superiores a tudo que existia antes. Com o passar do tempo existem evoluções dessas máquinas que se tornaram cada vez mais poderosas e eficientes!

A luta continua, com o passar do tempo, 4 anos depois para ser exato, metade do ouro, 25 g a cada 10 minutos, começa a ser achado ao invés de 50g a cada 10 minutos. Os mineradores tem que evoluir ainda mais suas máquinas e reduzir o consumo de energia e combustível de seus equipamentos.

Nesse momento alguns mineradores já faliram por falta de eficiência, alto custo, ou por que a demanda por ouro caiu fazendo o preço no mercado mundial baixar e a mineração se tornou mais custosa que lucrativa.


Você novamente com seu espirito empreendedor pensa:

"Meus custos de mineração não são tão altos assim pois eu consigo energia e combustível barato do fornecedor e esse é um dos maiores custos da mineração, eu poderia construir ou comprar mais equipamentos e alugá-los aos outros mineradores!"

Assim surge as primeiras empresas de mineração profissional e mineração em nuvem (cloud mining) por volta de 2013/2014 (muito lucrativas para os donos e nem sempre lucrativas para seus clientes no caso da mineração em nuvem). Em países onde existem um alto custo de energia como o Brasil muitas pessoas pagam por esse serviço de mineração em outros países ou alugam uma infra-estrutura mais barata. Mais uma vez somos obrigados a importar algo ao invés de produzir. Para criar uma planta de mineração profissional você precisa de: eletricidade barata, internet rápida, um país com clima frio e equipamentos eficientes.

A mineração Bitcoin é um processo caro e utiliza muita energia para ser realizada, mais ainda sim é mais eficiente que um sistema financeiro atual que utiliza muito mais recursos.


Esse é o resumo da história da mineração Bitcoin desde os primórdios. No início o seu computador poderia minerar bitcoins facilmente, mas hoje em dia ele demoraria milhões de anos para conseguir minerar alguma coisa.

Assim como quem chega primeiro a uma mina de ouro acha mais ouro e muitas vezes fica rico, quem minerou bitcoins no início e não gastou, hoje tem uma reserva razoável de dinheiro guardado. No início o bitcoin valia menos de 1 centavo (certa vez uma pessoa vendeu 10 mil bitcoins para comprar 2 pizzas), hoje supera algumas centenas de dólares.

Embora muitos digam que a mineração bitcoin é causa gastos desnecessários, nunca antes uma tecnologia em hardware foi desenvolvida tão rapidamente para um propósito específico e liberada no mercado, e claro, muita evolução em hardware e melhoria na eficiência de chips é esperada por essa corrida do ouro digital.

Assim como o ouro o Bitcoin é deflacionário

Ao contrário do que acontece com a moeda fiduciária como o Real e o Dólar Americano, o Bitcoin possui uma oferta que diminui a cada 4 anos e só existirão 21 milhões de bitcoins no máximo.

Com uma oferta decrescente os bitcoins tendem a se valorizar com o tempo (se a sua demanda permanecer como está ou aumentar).

No momento foram minerados 70% dos Bitcoin e em estima-se que 26 de julho de 2016 a recompensa cairá pela metade.

Acompanhe neste site a estimativa.

Posts do Tumblr

Carregando posts do Tumblr..